quarta-feira, 20 de setembro de 2017

PARALISAÇÃO NO IFSul - HORA DE REVER CONCEITOS


Grupo de servidores do IFSUL e funcionários do SINASEFE reunidos na frente do campus Pelotas durante a paralisação do dia 14 de setembro.
Considerando o enorme contingente de servidores do IFSul em Pelotas ( campus Pelotas, Reitoria e CAVG) o ato quase simbólico sinaliza para a necessidade do sindicalismo renovar-se e rever urgentemente práticas  que se tornaram incapazes de levar em frente a luta à qual se propõe.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O CLIMAX DO DESCOMPROMISSO

.A atuação e a presença da Prefeitura no Laranjal em várias situações vividas pelo bairro tem sido uma sucessão de atropelos e ações meramente de propaganda.
Uma administração municipal não pode ser feita a partir de escritórios de marketing com criação de campanhas ilusórias e slogans
O bairro do Laranjal tem vivido bem de perto esta situação.
A obra de pavimentação da avenida Espírito Santo é o exemplo mais acabado disso.
Iniciada em abril com previsão de encerramento neste mês de setembro tem sido uma sucessão de ações mal planejadas e interrupções que superam, só elas, o tempo efetivo de obras.
Sem sinalização adequada, luminosa, esta semana um carro caiu dentro de um dos buracos existentes.
No dia seguinte, num dia de sol, podia-se ver a obra "prosseguir".
Um homem, solitário, acomodava alguma coisa num canto da rua.
No centro um monte de pedras intertravadas da pavimentação aguardava que surgisse de algum lado quem pudesse seguir o trabalho de ir assentando.
Mas não surgiu.
O homem seguiu fazendo seu trabalho solitário, daqui a pouco saiu para fazer alguma coisa e não se sabe se voltou.
P.R.Baptista







segunda-feira, 18 de setembro de 2017

PELOTAS AVANÇA NA COPA PAULO SANTANA

Foto: Tiago Winter | ECP)
O E.C.Pelotas com duas vitórias sucessivas contra o Bagé e o Grêmio, obtidas ambas com gols no final dos jogos, passa para as quartas de final da Copa Paulo Santana.
Pela frente, para chegar à final, 3 adversários ( 6 jogos) no sistema mata-mata.
Segue assim na disputa e atenua, por enquanto, a crise que o clube enfrenta desde que a direção e o conselho, sob o brado " A Boca é do Lobo" tomaram a desastrada decisão de não alugar o estádio para o coirmão G.E.Brasil  para os jogos do Gauchão e do Campeonato Brasileiro. 
Essa disputa garante vaga para o campeão ou na Copa do Brasil 2018 ou na série D do Campeonato Brasileiro também em 2018.
A lamentar que o clássico Bra-Pel tenha ficado tão distante de voltar a ser realizado.
Quem sabe um dia...


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

EXPOSIÇÃO QUEERMUSEU, A DISCUSSÃO - P.R.Baptista

Charge do Charlie Hebdo
De uma coisa, sem dúvida, temos que agradecer ao Movimento Brasil Livre(MBL).
Ter chamado a atenção de forma inclusive mundial para a Exposição "Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira" realizada no Santander Cultural em Porto Alegre.
Subitamente a partir da campanha grosseira de ataque promovida pelo movimento abriu-se uma discussão inesperada sobre vários aspectos desde censura artística até o próprio conceito ou concepção de arte.
O MBL, sem querer até porque seu objetivo era meramente de censura e propaganda política, propiciou esse momento que certamente não iria existir.
Já decorriam várias dias de exposição e decorreriam os dias finais sem que nada chamasse a atenção até porque os quadros polêmicos são apenas uns poucos dentro de uma exposição muito vasta.
A mostra tinha obras de 85 artistas, entre eles Lygia Clark, Di Cavalcanti e Alfredo Volpi. Para a artista Ana Norogrando, a decisão do Santander Cultural em cancelar a exposição é “uma guinada à Idade Média”
Quanto aos argumentos do MBL só restaria uma possível discussão, vejam bem, possível, sobre o acesso de crianças à exposição.
Como aspecto mais importante surge a questão da censura no seu todo e, principalmente, o conceito de arte que ficou pouco discutido até por ser um tema muito amplo.
Mas é preciso entender que uma obra, seja qual for, não se torna automaticamente um produto artístico pelo fato de ser contestadora ou francamente "agressiva".
E tampouco por representar cenas de práticas sexuais.

Isto, obviamente, seria um conceito muito simplista e, portanto, equivocado e que, ao contrário, pode, isto sim, estar manifestando uma visão burguesa.
Há outros fatores, muitos outros, de natureza estética principalmente, que devem ser considerados mas que, pelo que se observa, foram adequadamente considerados pelo curador da mostra Gaudêncio Fidelis.
Considero relevante nesse aspecto que pouco ou nada tenha sido discutido sobre os autores das obras alvo da polêmica. Quem são, o que se sabe sobre eles, sobre o conjunto de suas obras.
Com relação à obra Cenas de interior II, de 1994, um dos principais alvos de ataques , cabe mencionar as palavras da própria artista Adriana Varejão que ressalta que "busca jogar luz sobre coisas que muitas vezes existem escondidas" e que Cenas do Interior II é "uma obra adulta feita para adultos"
E acrescenta: "Esta é uma obra adulta feita para adultos. A pintura é uma compilação de práticas sexuais existentes, algumas históricas (como as shungas, clássicas imagens eróticas da arte popular japonesa) e outras baseadas em narrativas literárias ou coletadas em viagens pelo Brasil. O trabalho não visa julgar essas práticas. Como artista, apenas busco jogar luz sobre coisas que muitas vezes existem escondidas. É um aspecto do meu trabalho, a reflexão adulta"
Quanto ao aspecto da suposta agressão religiosa , a questão recai na liberdade de expressão que deveria ser garantida.
É o caso de outra obra atacada, "Cruzando Jesus Cristo com Deusa Schiva, 1996, de Fernando Baril.
Mas levando a discussão para outro terreno, é interessante lembrar que em 2015 o semanário francês Charlie Hebdo foi alvo de um ataque armado por extremistas muçulmanos, com a morte de 12 pessoas incluindo jornalistas do hebdomadário,  pela publicação de charges consideradas ofensivas à religião muçulmana.
Os franceses se uniram em defesa da tese do direito à blasfêmia, ou seja, basicamente de se promover livremente o que se quiser, por mais agressivo que seja, contra religiões, instituições e personalidades políticas em geral.
Uma questão de honra para os franceses indiferentemente da honra de quem se ataque.
Mas é bom não esquecer que ao mesmo tempo se unem aos Estados Unidos e à Inglaterra a promover a destruição da Síria e outros países muçulmanos da região.
Ou seja, é preciso entender que o contexto dessas discussões pode ser mais amplo do que simplesmente tomar partido, apressadamente, por um lado ou pelo outro.
Fica como o aspecto mais lamentável de todos, bem mais do que o ataque dos integrantes do MBL,  a decisão do Santander de fechar a exposição e a certeza de que daqui em diante só haverá de promover mostras muito bem comportadas.
Acovardou-se.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

MEMÓRIA, VOZES E VERSOS QUE ALERTAM - Carlos Cogoy

Recentemente ela foi informada que um dos livros, passou a integrar acervo de biblioteca em Angola. Trata-se de “Cicatrizes da Escravidão: da história ao silenciamento”, lançado há dois anos. A divulgação é da autora Olga Pereira, que já publicou quatro livros. Os volumes, conforme salienta, têm circulado por cidades gaúchas como Porto Alegre, Arroio Grande, Herval, Canguçu, Camaquã, Piratini, Sapucaia, Jaguarão e Bagé. No País, sua obra já chegou a Estados como Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Santa Catarina, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. No exterior, menciona países como o Chile, Alemanha e Estados Unidos. Nesta terça a partir das 17h, estará autografando dois novos títulos: “Roza Gonzales – a mulher que driblou a loucura” (212 páginas); “Vozes & Versos – o dito e que ficou por dizer” (120 páginas). Os livros de Olga, excetuando “Reinterpretando silêncios” (editora Nandyala), são publicados pelo selo artesanal Um2. No coquetel de lançamento, com término previsto para 19h30min, música com Daniela Brizolara e Dena Vargas. Como local, Livraria Vanguarda situada no saguão da UCPel.
MEMÓRIA – A escritora menciona sobre o livro “Roza Gonzales”: “Era minha avó materna, gaúcha, guerreira e um dos exemplos mais lindos de alteridade e preocupação com as dores do mundo. Casada com um jovem portador de sofrimentos psíquicos, teve sua vida permeada por constantes formas de superação, luta e amor incondicional. Foi mãe de seis filhos, sendo que quatro herdaram o mesmo problema do pai. Uma família que se manteve unida, apesar de tantos cortes, idas e vindas a hospitais psiquiátricos. Um tempo difícil onde os choques elétricos, usados como forma de tratamento, doeram muito mais no coração. Afinal, essa mulher lutou contra tudo e todos pela união afetiva tão incompreendida naquela época.  Nunca se considerou, como tantas vezes a fizeram crer, como sendo apenas um rótulo de esposa e mãe de loucos. Ao contrário, foi nessa loucura ainda tão indecifrável pela própria ciência, que ela amou e foi verdadeiramente amada até seus últimos suspiros.  O enredo que nomeia a travessia de cada um de seus filhos,  é o mais lindo legado que Roza poderia ter deixado não só, para aqueles que receberam o privilégio de tê-la por perto, mas a todos e todas que,  calçando as sandálias da solidariedade, estão convidados a conhecer a trajetória dessa mulher, e mãe-leoa,  cujo coração foi acariciado e coberto com o manto da mais pura alteridade”.
Escritora Olga Pereira
VOZES & VERSOS conforme a escritora: “O livro representa apenas um olhar carente de tantos outros. São aforismos e reflexões construídos a partir do olhar mais atento sobre o que realmente está acontecendo ao nosso redor. É uma espécie de convite que nos faz retirar do outro a invisibilidade construída pela pressa. É uma parada obrigatória no travesseiro onde repousam nossas atitudes e negações diárias. Na verdade, é se autopermitir sair da linha do conforto e perceber as misérias afetivas, físicas e psicológicas e, com tais percepções tão recorrentes, perceber como ainda permanecemos seres ingratos. Deixarei aqui um dos infinitos aforismos presentes no livro: ‘O cisne negro e a bailarina cega, é uma história possível onde a dança ilumina o lago e, o toque, acaricia a alma”.
ALERTA – Além da divulgação dos seis livros, Olga profere palestras e ministra oficinas. Em outubro na FURG, coordenará a oficina “Cultura africana: protagonismo e alteridade”. A autora que, ano passado, lançou os livros “Dias em que o EGO precisou dormir mais cedo”, e “O negro no espelho: legado e oralidade”, estará autografando na Feira do Livro. A sessão de autógrafos acontecerá às 19h do dia 4 de novembro. Ela conclui: “Na verdade, independente dos temas abordados nos diferentes livros, não consigo visualizar cortes abruptos, pois todos, de uma forma ou de outra,  possuem  o  viés humanitário e o mesmo grito de alerta em busca de sociedade mais justa e com pessoas melhores”. Informações no Facebook ou nos fones: (53) 9 844.21809; (53) 9 8114.7019

Publicado no jornal DIÁRIO DA MANHÃ.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

PASSARELA NO LARANJAL


.
Orçada em 220 mil reais a Prefeitura propõe a construção de uma passarela a 20 metros da lagoa entre a praia do Santo Antônio e o Barro Duro com escadas para descida até a areia.
A construção seria sob a responsabilidade da Secretaria de Gestão da Cidade e Mobilidade Urbana (SGCMU) que precisa enviar o projeto à Secretaria da Qualidade ambiental (SQA).
Segundo a notícia o processo até o início das obras é longo.4 meses de espera até a decisão da SQA ser aprovada e as construções poderem começar em 2018.
Segundo acredita o secretário Jacques Reydams,  o projeto "é um sonho que pode trazer mais comércio, turismo, caminhadas e uma forma de valorizar a área, ter mais pessoas circulando".
No entanto a reação dos moradores do Laranjal, mergulhados em problemas crônicos e críticos, de segurança, alagamentos, iluminação, transporte, poluição para citar só alguns, foi frontalmente contrária ao projeto considerado como uma fantasia, quase um delírio da administração da prefeita Paula (PSDB)
A propósito , se a ideia é criar um atrativo para a praia, por que não recuperar o Camping Municipal.na praia do Totó, que foi abandonado no governo do ex-prefeito Eduardo Leite, ou o próprio trapiche que está interditado?
De qualquer forma se há intenção de seguir adiante com o projeto uma alternativa é fazer um aterro com saibro que permita, da mesma forma, o trânsito pelo local.
Uma obra de baixo custo e já serve como um teste da receptividade do projeto.


P.R.Baptista

sábado, 2 de setembro de 2017

ENCONTRO DE JAIRO JORGE COM O PDT EM PELOTAS

Em preparação para a sua candidatura ao Governo do Estado, Jairo Jorge participou na Câmara de Vereadores de Pelotas do 1ºEncontro Regional  antecedendo à Pré-Convenção Estadual.
O evento coordenado pelos vereadores Alê presidente do PDT local e Marcus Cunha coordenador regional do PDT na Zona Sul, foi realizado dia 01/09 com significativa presença de filiados.
O encontro foi um dos quatro que ocorrerão no estado e o pré-candidato Jairo Jorge trouxe um recorte histórico, desde Júlio de Castilhos, Borges de Medeiros, Getúlio Vargas, até Sartori.

Nascemos e existimos como partido político para mudar
o Brasil-
Leonel Brizola

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

FOTOGRAFIA - Fly Câmera

Trapiche na praia do Laranjal

terça-feira, 29 de agosto de 2017

CHARRETEIROS TEM SEU LUGAR - P.R.Baptista

Para quem cultiva a ideia que ser charreteiro e catador é uma atividade que deve ser banida e que os cavalos são sempre maltratados pode ajudar a ver a questão de um modo um pouco diferente observar essa cena.
Indagado por A METADE SUL se não estava caracterizado um exemplo de cavalo bem tratado empregado na atividade econômica e de sustento de seus proprietários, Maurício Amaro, conhecedor de equinos, responde que " Com certeza. Vejo que estacionado adequadamente, correames em perfeito estado, animal gordo e limpo e além disso, preocupado com a segurança do animal e dos demais ( animal maneado) . Charrete top essa"

domingo, 27 de agosto de 2017

UMA FOTOGRAFIA SEM AUTOR

Foto de Lula durante a caravana que o ex-presidente empreende pelo Nordeste.
Estão previstas visitas a 25 cidades diferentes ao longo de 20 dias.
A foto foi divulgada no blog de Alberto Villas sem mencionar autoria.

sábado, 26 de agosto de 2017

É RUIM VER LULA ABRAÇADO A RENAN - Luis Felipe Miguel

É ruim ver Lula abraçado a Renan.
Pior ainda é ouvi-lo fazer elogios a Meirelles.
Mas o que é o fim da picada, mesmo, é encontrar Marcelo Freixo engrossando a solidariedade a seu xará Bretas, o juiz carioca cujo sonho é ser uma versão piorada de Sérgio Moro e cujas decisões são confessadamente baseadas não na lei, mas na Bíblia.
Lula tem a justificativa de estar buscando a tal "governabilidade", uma justificativa que eu acredito que não se sustenta mais, mas que merece discussão. Já Freixo está simplesmente caindo na velha tentação oportunista do udenismo despolitizante.
Acho necessário construir uma alternativa à esquerda do PT.
O PSOL não consegue se credenciar para este papel porque muito dele é, sim, oposição ao PT - mas não está efetivamente à esquerda do PT.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Atrações decepcionantes pelo mundo - Monalisa

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira
Achei muito interessante essa matéria postada no portal MSN
Aborda a fixação de turistas por alguns locais considerados obrigatórios de serem visitados mas cujo atrativo , olhando sob um ângulo um pouco menos domesticado, podem não ter atrativo nenhum.
Uma dessas visitas é da Monalisa,  exposta no Museu do Louvre.
Clássico das decepções de viagem, o famoso retrato pintado por Leonardo da Vinci costuma frustar expectativas tanto pelo seu tamanho diminuto quanto pela distância que fica do público. O quadro mede apenas 77 cm x 53 cm e fica separado dos turistas por um cordão de isolamento de pelo menos dois metros de distância.
Além disso, o grosso vidro à prova de balas causa reflexos que impedem fotos nítidas. E se, mesmo assim, você for tentar se aproximar dele, prepare-se para enfrentar uma multidão de turistas se estapeando por um mínimo espaço em frente ao retrato, sem falar nas lentes gigantes que os orientais costumam acertar na sua cabeça.

De minha parte diria que um motivo ainda satisfatório da visita é registrar os fenômenos de comportamento. Foi o que procurei fazer. 
(P.R.Baptista)

© Escolha Fonte


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO

Orçada em 220 mil reais a Prefeitura propõe a construção de uma passarela a 20 metros da lagoa entre a praia do Santo Antônio e o Barro Duro com escadas para descida até a areia.
A construção seria sob a responsabilidade da Secretaria de Gestão da Cidade e Mobilidade Urbana (SGCMU) que precisa enviar o projeto à Secretaria da Qualidade ambiental (SQA).
Segundo a notícia o processo até o início das obras é longo.4 meses de espera até a decisão da SQA ser aprovada e as construções poderem começar em 2018.
Segundo acredita o secretário Jacques Reydams,  o projeto "é um sonho que pode trazer mais comércio, turismo, caminhadas e uma forma de valorizar a área, ter mais pessoas circulando".
No entanto a reação dos moradores do Laranjal, mergulhados em problemas crônicos e críticos, de segurança, alagamentos, iluminação, transporte, poluição para citar só alguns, foi frontalmente contrária ao projeto considerado como uma fantasia, quase um delírio da administração da prefeita Paula (PSDB)
A propósito , se a ideia é criar um atrativo para a praia, por que não recuperar o Camping Municipal.na praia do Totó, que foi abandonado no governo do ex-prefeito Eduardo Leite?

P.R.Baptista


terça-feira, 15 de agosto de 2017

TE AMO PAI - Ana Maria Pinheiro

Meu pai tinha um canivete, com ele descascava laranja e sorria quando eu pedia:
─ Faz biquinho na tampa, pai...
Meu pai tinha um canivete e com ele cortava minhas verrugas, o sangue escorria mas não doía porque o canivete do meu pai era mágico.
Meu pai tinha um canivete e com ele cortou a franja que me incomodava os olhos.
Com aquele canivete ele podia tudo, podia ser médico, cabeleireiro e gourmet. ...
Com o canivete/espada ele me ensinou a cortar até as dores da vida.
Te amo pai.


sexta-feira, 4 de agosto de 2017

OS CACHORROS DA PAULA

A prefeita Paula procura marcar um estilo pessoal de exercer o seu cargo o que, também, acaba se constituindo numa forma de fazer marketing político.
Como mora a pouco metros da prefeitura parece fazer da função uma extensão de sua casa.
Gosta de usar tênis All Star no que foi acompanhada pelo vice-prefeito que até então só usava sapato de bico fino bem lustrado.
Não se sabe se a prefeita não vai ocupar uma dependência do prédio da Prefeitura para ter um espaço privativo e ficar ainda mais à vontade em seu local de trabalho.
Mas isto seria um exagero, supõe-se que não.
A propósito contam-se a respeito do uso de prédios públicos para fins de interesse pessoal histórias bem picantes como a finalidade que um ex-prefeito encontrou para o museu da Baronesa.
Não sabemos se a prefeita tem outros animais domésticos que pudesse levar para o gabinete.
Algum pássaro, um hamster, peixinhos de aquário.
O que é imperdoável é não ter gatos ou, se tem, não lhes dar o mesmo privilégio.
Aliás, a respeito de privilégios, o mais criticável de tudo da parte da prefeita é não conceder a todos os funcionários da Prefeitura o mesmo direito de levarem seus bichinhos de estimação para o local de trabalho.
Está lançada a proposta.

P.R.Baptista

sábado, 29 de julho de 2017

QUANDO SETEMBRO VIER : RETRATOS DA INCOMPETÊNCIA - P.R.Baptista

Há um ditado que diz, quem não tem competência que não se estabeleça.
Pois bem, quem pode explicar o que  está acontecendo com a obra de pavimentação na avenida Espírito Santo?
Afora uns curtos momentos de pirotecnia com a intenção de demonstrar eficácia e seriedade, a obra tornou-se um campo de guerra, uma zona de terra arrasada.
Não por falta de dias com bom tempo que acabaram predominando
O canal , justamente por onde escoam as águas, obstruído; árvores arrancadas, os acessos por terra com obstáculos e, muito pior ainda, a certeza que com a chegada da chuva, tudo ficará alagado.
Não sei quem possa defender a forma de execução desse projeto.
E quem possa com um pouco de honestidade defender, conforme a previsão, que a obra vai terminar em setembro.




quinta-feira, 27 de julho de 2017

ELES TESTAM A ANESTESIA GERAL - Nei Alberto Pies  

A direita está certa de que não acontecerá nada de mais grave.
Que o Brasil continuará inerte, amorfo, anestesiado.
E, continuando assim, que se prepare então o novo golpe.
O Brasil amorfo talvez não tenha eleição para presidente em 2018.

A direita que controla o Brasil, em todas as áreas e instâncias, calibra suas ações pensando nas reações ao que faz. Sérgio Moro avisou que chegou a pensar em mandar prender Lula, mas depois decidiu ser prudente. Poderia haver um trauma político. Foi o que disse na sentença de condenação.
Moro aplicou a dose mais ‘branda’ do veneno que tem à mão, fez o previsível e condenou Lula. Até poderia prender, mas a condenação já seria suficiente para o primeiro teste. Condenou e não percebeu reação fora das redes sociais e de algumas ‘análises técnicas’. Quase ninguém foi às ruas.
E se tivesse mandado prender, o que aconteceria? Moro não quis pagar pra ver, até porque poderia perder o apoio dos ‘liberais’ do meio jurídico, todos tão quietinhos (com as exceções de sempre).
O que importa é que Sérgio Moro, o jaburu, os tucanos, o Ministério Público, todos estão calibrando o que fazem pensando sempre na possibilidade de contestação popular. E não há contestação nenhuma, por enquanto. Há as reações das controvérsias variadas e só.
O jaburu vai manobrando como quer e rearticulando forças táticas, para sobreviver à semana seguinte, porque sabe que não há reação além da virtual.
Ninguém reage a mais nada desde o golpe de agosto. Daqui a pouco, teremos mais um teste, com a revalidação ou não da condenação de Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região em Porto Alegre. Se a condenação for reafirmada e Lula se tornar inelegível (podendo até ser preso), o que acontecerá? É o que a direita se pergunta.
E a direita está certa de que não acontecerá nada de mais grave. Que o Brasil continuará inerte, amorfo, anestesiado. E, continuando assim, que se prepare então o novo golpe. O Brasil amorfo talvez não tenha eleição para presidente em 2018.
Se a economia reagir, se a Globo conseguir restabelecer seus pactos com quem estiver no poder, se as perspectivas forem de retomada da ‘normalidade’, a direita se dedicará ao grande projeto sonhado desde agosto.
O Brasil não terá Lula, não terá eleições e não saberá mais com o que poderá contar, depois de perder leis trabalhistas, previdência e, quem sabe, até o SUS como existe hoje.
Quem duvidar, quem acha que nada disso seja possível estará apenas repetindo a postura dos que duvidavam do golpe e duvidavam até que o jaburu chegaria ao poder e que o povo continuaria calado.
A direita empresarial e política e a direita do Ministério Público e do Judiciário acham que o povo não é de nada. E o povo não reage e não diz nada que possa fazê-los pensar o contrário. Seremos governados pelo pato amarelo.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

REVITALIZAÇÃO DO CANALETE DA ARGOLO - Maria Rosania Almeida

Meu projeto está se tornando uma realidade, diante da insatisfação de olhar diariamente o descaso com nosso patrimônio e em respeito aos estudos do engenheiro sanitarista Saturnino de Brito, resolvi iniciar uma campanha de revitalização do " Canalete da Argolo ", o qual com sua eficácia na drenagem, também ornamenta a Rua General Argolo, na qual tenho meu escritório; e portanto com o apoio dos moradores da referida rua, comecei aos poucos uma conscientização de limpeza e renovação das floreiras e hoje já estamos com novo visual.
Aqueles que queiram participar dessa campanha podem me procurar através do telefone 3225- 4362, pois o canalete se estende da Rua Andrade Neves até a Rua Almirante Barroso. Vamos transformar nossas ruas, nossa cidade. Participe a natureza agradece.
NOSSAS ATITUDES, REVELAM NOSSOS VALORES.