domingo, 31 de dezembro de 2017

PROIBIÇÃO DE FOGOS DE ARTIFÍCIOS ESTRONDOSOS, POR QUE NÃO SE APROVA? - P.R.Baptista

Várias cidades brasileiras já possuem leis que proíbem a queima, soltura e manuseio de fogos de artifício e artefatos pirotécnicos
Em Campinas, a lei que proíbe a queima, soltura e manuseio de fogos de artifício que façam barulho foi a primeira a ser sancionada, este ano, pelo prefeito Jonas Donizete. “No segundo dia de nosso governo, estamos sancionando uma lei que resguarda a vida dos nossos animais”, disse o prefeito aos ativistas e protetores dos animais, que reivindicavam e aguardavam a sanção.
Em Curitiba tramita um Projeto de Lei semelhante encaminhado pela vereadora Fabiane Rosa (PSDC). Segundo suas palavras “não fomos irresponsáveis ao preparar esse projeto de lei, nem tampouco houve despreparo, como algumas pessoas sugeriram nas redes sociais. Ao contrário, observamos cuidadosamente o que já vinha sendo discutido em outras cidades. Curitiba não pode, em nome de uma suposta tradição arcaica, ficar no atraso de uma prática que atenta contra o bem estar de animais e pessoas, autistas por exemplo, que sofrem com os estouros e estampidos dos fogos. Os fogos de artifício não se encaixam nos traços da sociedade moderna”.
Em Pelotas há uma proposta do vereador Ivan Duarte nesse sentido que teria sido aprovada. Mas se está obviamente não está sendo cumprida.
Com tantas pessoas envolvidas com cuidados em relação aos animais, especialmente os de rua e abandonados, o cumprimento da lei está atrasada.
E surpreende que a prefeita Paula que reiteradamente manifesta sua simpatia pela causa animal e costuma levar seus cães de estimação a acompanhá-la no expediente do gabinete, não tenha se empenhado em  colocá-la em prática..
Cabe então aos grupos de proteção assumir a frente pois está evidenciado que as campanhas para restringir voluntariamente essa prática não vai conseguir combatê-la como é necessário..

LARANJAL , A GOTA D'ÁGUA - P.R.Baptista

O Laranjal, é comum se dizer, é um bairro de toda a cidade.
Durante o ano moradores dos outros bairros deslocam-se nos fins-de-semana para o Laranjal para usufruir do lazer que ele propicia.
E quando chega o verão esse movimento aumenta exponencialmente a começar pela população que se fixa na praia em casas próprias ou alugadas.
Mas é o momento também em que os problemas do bairro, presentes o ano todo, tornam-se agudos.
E não são poucos.
Alagamentos que facilmente se tornam enchentes pela falta de escoamento, abastecimento d'água deficiente, ruas, as do trajeto de ônibus sem pavimentação, as demais esburacadas deficiência de policiamento, de iluminação, de saneamento que afeta a balneabilidade da praia... a lista é enorme.
Quando chega a temporada, a Prefeitura corre para apresentar um cartão de visitas com promoções à beira da praia e pequenos eventos que nada resolvem dos problemas citados.
Passa a temporada e tudo volta ao normal, ou seja, ao descaso e ao esquecimento..
Mais recentemente essa situação passou a não ser aceita pelos moradores que tem, de forma bem acentuada nas redes sociais, demonstrado sua inconformidade e procurado se organizar.
Graças a essa mobilização  os problemas do Laranjal passaram a ter mais visibilidade e alguns até resolvidos ou minorados.
Mas esse movimento ainda está estruturação, movido por ações individuais ou de grupos na internet, que tem tido dificuldades de romper a barreira criada pela administração, desencontrada, inchada de cargos político, da Prefeitura.
Há casos, como a pavimentação da avenida Espírito Santo, que fogem ao entendimento de um raciocínio minimamente lógico e coerente. É um exemplo acabado do desentrosamento da administração municipal.
É compreensível que as ações da Prefeitura não possam se concentrar apenas no Laranjal , a cidade apresenta situações que não poucas e que exigem atenção mas o Laranjal, especialmente nessa época do ano, passa a ser o bairro de todos.
Algumas dessas ações é difícil entender porque não empreendidas  como o Camping do Barro Duro.
E, agora nesse momento, a falta d'água que impondo um sacrifício aos moradores torna letra morta qualquer discurso que queira se fazer de tornar o Laranjal um destino turístico.
Há um clamor dos moradores do Laranjal e, à esta altura, de quem já está para o fim-de-semana, sobre a precariedade do fornecimento de água.
Mas não se viu uma nota de esclarecimento da Prefeitura e do SANEP que seria obrigatório ter sido emitida..
O descaso ou, na melhor das hipóteses, a ineficiência de comunicação, é evidente.

PAPAI NOEL, O INTRUSO - P.R.Baptista

.A cerimônia do Natal que se propunha a celebrar a data atribuída ao nascimento de Jesus, a cada ano se converte em reuniões festivas de familiares, amigos ou de grupos unidos por diferentes razões.
E, como um grande motor a intensa publicidade comercial a impulsionar o consumo em geral com ênfase na compra de presentes.
Ou seja, o intruso rapidamente se tornou o dono da festa.


sábado, 23 de dezembro de 2017

AJUDANDO OS QUE NECESSITAM




Belíssimo trabalho desenvolvido por voluntários do grupo São Lázaro de oferecer jantar a moradores de rua, catadores e outros necessitados.
Trabalho desenvolvido há muito tempo mas que não ganha manchetes nem aparece nas colunas sociais.
Atualmente às segundas junto ao Correio pela Anchieta.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

A ARGENTINA NÃO É O BRASIL, MAS VOTA MAL - P.R.Baptista

A Argentina viveu no último fim de semana um agitadíssimo e violento  protesto de rua contra a proposta governamental de alterar as regras da previdência.
Consta que nas manifestações teria sido levantado o slogan "Aqui não é o Brasil" referindo-se ao fato do Brasil estar passando por um processo de alterações de leis semelhante.
Isto propiciou uma série de comentários invocando-se uma maior politização do povo argentino tomando-se como um dos critérios a incapacidade de se ter no Brasil a mesma mobilização.
As manifestações na Argentina passaram, então, a serem saudadas como uma espécie de modelo a ser alcançado.
O que se verificou, no entanto, ainda dentro da ocorrência dos protestos, foi o congresso argentino aprovar a reforma por 127 votos contra 118, ignorando as manifestações de rua.
Por outro lado, no Brasil, o governo adia a votação por não dispor de maioria para sua aprovação.
Essa de momento incapacidade foi que levou, aliás, à suspensão estrategicamente da greve inicialmente prevista para o dia 5 de dezembro por parte das centrais sindicais brasileiras. A única que manteve a greve foi o Conlutas que ficou isolada sem condições de sozinha levar adiante o movimento.
Ou seja, o congresso argentino, eleito pelo povo argentino de forma livre, parece abrigar um contingente de políticos proporcionalmente mais dispostos a concordar com as reformas do que no Brasil.
Os argentinos, assim, mostram-se prontos a protestar nas ruas mas, por mais politizados que defendamos que sejam, sem dúvida seus políticos não votam como a maioria da população espera.

a

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

ELEIÇÃO CÂMARA DE VEREADORES - AS REGRINHAS DO JOGO - P.R.Baptista

A escolha da mesa diretora da Câmara de Vereadores a cada ano é uma disputa cheia de acordos de bastidores, arranjos e acerto de interesses.
Após o processo realizado no dia 15 dezembro com duas chapas de oposição e situação, encabeçadas por Antonio Peres (PSB) e Anderson Garcia (PTB), o governo se vale da maioria de vereadores  que detém e elege representantes seus.
Alinharam-se enquanto partidos PSDB, PTB, PRB, PP e PMDB
Do outro lado PDT, PT e PSOL
O DEM parece ter ficado à espera do resultado de negociações e acabou aderindo à oposição.
Situação contraditória do PSB compondo uma chapa de oposição e, ao mesmo tempo, fazendo parte do governo.
Teria tirado, contudo,  uma posição de apoio à candidatura do integrante do partido Toninho Peres não acompanhada por Daiane Dias.
Fica difícil ser aliado do governo e oposição ao mesmo tempo.
Não há como deixar de constatar que, como partido, o PSB já teve melhores dias.
Mas ainda mais contraditória é a posição de Marcos Ferreira, Marcola ( (PT) favorável à situação. A explicação parece estar no fato de ficar na composição da mesa como 1º secretário.
Talvez como o Tenente Bruno esteja mais próximo do governo do que do partido.
O PT também já teve melhores dias.
Foi questionada a ausência de mulheres na composição mas cabe ter presente que são 4 vereadoras no total de 21 e que na chapa vencedora apenas uma, Daiane Dias, que fazia parte da Mesa anterior.

Votos de Antonio Peres (PSB)
Cristina Oliveira (PDT)
Marcus Cunha (PDT)
Éder Blank (PDT)
Zilda Bürkle (PSB)
Antônio Peres (PSB)
Ivan Duarte (PT)
Ademar Ornel (DEM)
Fernanda Miranda (PSOL)

Votos de Anderson Garcia (PTB)
Daniel Trzeciak (PSDB)
Luiz Henrique Viana (PSDB)
Dila Bandeira (PSDB)
Enéias Clarindo (PSDB)
Anderson Garcia (PTB)
Reinaldo Elias (PTB)
Rafael Dutra (PTB)
Daiane Dias (PSB)
Marcos Ferreira (PT)
Fabrício Tavares (PSD)
Roger Ney (PP)
Salvador Ribeiro (PMDB)
Waldomiro Lima (PRB)

Composição da nova Mesa para 2018
Presidente - Anderson Garcia (PTB)
1º Vice-presidente – Waldomiro Lima (PRB)
2º Vice-presidente – Enéias Clarindo (PSDB)
1º Secretário – Marcos Ferreira – Marcola (PT)
2ºSecretário – Salvador Ribeiro (PMDB)

Salvador Ribeiro e Waldomiro Lima, é bom lembrar, faziam parte da Mesa anterior.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

CARAVANAS - Chico Buarque



Seis anos após o último disco de estúdio, Chico Buarque lança “Caravanas”, com sete canções inéditas e duas também de sua autoria, mas gravadas anteriormente apenas em discos alheios. Neste novo trabalho, o compositor reafirma o seu talento para o lirismo e a poesia. Gravado nos estúdios da Biscoito Fino, no Rio, o álbum já tem um single de sucesso: lançada no fim de julho, em menos de duas semanas “Tua Cantiga” tornou-se a terceira música do artista mais tocada nas plataformas online e o seu clipe deve chegar em breve à marca de um milhão de visualizações na internet, marcando definitivamente a presença de Chico no ambiente digital. “Caravanas” é um disco cheio de canções atualíssimas na forma e no conteúdo, transportando o ouvinte para um mundo de sentimentos e sensações que não têm sido tão valorizados nos dias de hoje - um álbum para toda a família ouvir e se deliciar. Luiz Claudio Ramos assina os arranjos e a produção musical. A produção é de Vinicius França. .

sábado, 2 de dezembro de 2017

O ENSAIO FASCISTA DE PAULA MASCARENHAS (PSDB) -Sandro Ari Andrade de Miranda

Pelotas é uma cidade do interior do Rio Grande do Sul cheia de problemas e contradições. O passado escravagista relegou boa parte da população, em sua grande maioria negra ou mestiça, à pobreza, enquanto uma pequena elite mantém uma das mais altas poupanças internas do país que segue estagnada e depositada em bancos. A crise produzida no Governo Collor, com a abertura do mercado às importações e a onda de privatizações da década de 1990 rebaixaram a economia do Município do 2º lugar no ranking estadual para 11º.

Com a implantação da indústria naval na cidade vizinha de Rio Grande, ocorreu um crescimento geral do nível de emprego em toda a região, uma migração de milhares em busca do novo “Eldorado Gaúcho”, o que alavancou a indústria da construção civil e uma aparente estabilidade.

Entretanto, com o Golpe de Estado patrocinado por Michel Temer (PDMB) e seu grupo de apoio (PMDB, PSDB, DEM e outros partidos menores), ocorreu uma mudança no modelo de gestão da matriz econômica do petróleo e do gás, com a privatização de importantes ativos do pré-sal e a destruição da nascente indústria naval. Assim, o ciclo virtuoso desapareceu e todos os municípios da Zona Sul do Estado passaram a conviver com elevadas taxas de desemprego e com o retorno da estagnação econômica.

SEGUE >>>

A VISUALIDADE NA POESIA DE JOÃO CABRAL

POESIA

terça-feira, 28 de novembro de 2017

"Deixe em paz meu coração, que ele é um pote até aqui de mágoa!"

"Deixe em paz meu coração... Que ele é um pote até aqui de mágoa!" Mais uma do projeto Fio aqui no Brasileiríssimos! Dessa vez temos Aline Lessa e Juliana Linhares (vocal do Pietá) em uma interpretação linda demais de "Gota D'água/O que Será" do mestre Chico Buarque.

Felicidade

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

FASE DECISIVA DO GOLPE - Ricardo Almeida

Parece que estamos entrando numa fase decisiva do golpe, pois parte do objetivo deles já foi alcançado e agora eles devem focar na possibilidade de eleger um presidente e um Congresso conservador, nas eleições de 2018. Mas ninguém sabe se eles irão conseguir e nem se haverá eleição para presidente.
Na verdade, com todo este atropelo, eles ficaram nus e só restaram as pautas moralistas para desviar a atenção e mobilizar aquela população fanática e/ou desavisada.
Por exemplo, vejam que as forças conservadoras, após perder o apoio das ruas, resolveram adotar a prática de intrigas e pequenas ações moralistas aqui e acolá. Só que hoje, muita gente já sabe quem apoiou o golpe, que eles estão vendendo o nosso país para o capital estrangeiro, que estão acabando com os direitos do povo trabalhador e que querem acabar com as nossas organizações (mas que não estão conseguindo tudo o que queriam).
Nestes últimos anos, apesar de muitas perdas, estresses e até de depressão, muita gente aprendeu, por exemplo, que os meninos mimados do MBL são mercenários, pois são pagos para praticar estes pequenos atentados, e depois divulgá-los na Globo e nas redes sociais como se fossem ações vitoriosas.
Quem acompanha esta organização político-criminosa de perto sabe que durante o impeachment da Dilma ela recebeu apoio de partidos políticos, de empresas estrangeiras e de algumas empresas "nacionais", como as lojas Riachuelo, por exemplo, cujo empresário esteve presente no seu recente "congresso". Também sabe que, neste evento eles se reuniram com os prefeitos de São Paulo, João Doria, e de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr., ambos do PSDB, para montar uma estratégia comum (business and marketing) para as eleições de 2018.
O problema é que, no campo eleitoral, o MBL e as forças conservadoras seguem sem muitas alternativas, pois perderam alguns dos seus melhores aliados políticos (Cunha, Aécio e Temer, com uma enorme rejeição). Ou seja, todos juntos ainda não encontraram um candidato à presidência que seja "vendável" pela grande mídia. Por isso, não esperem outra: eles devem seguir realizando pequenos atentados aqui e acolá.
Devemos ficar atentos, pois agora eles querem eleger deputados e senadores, e também ocupar mais espaços nas administrações municipais e estaduais. Precisamos ser pacienciosos, mas firmes e criativos, pois o campo da moral é o único que ainda pode mobilizar amplos setores conservadores (a maioria das igrejas pentecostais etc.). Por outro lado, a nossa estratégia deve ser a de ampliar o diálogo com o povo que recém está se dando conta do golpe (é assim mesmo!), e não ficar apenas no enfrentamento com estes meninos mercenários (nunca esqueçam que eles são pagos pra isso).
O nosso combate deve passar pelo reconhecimento da diversidade cultural e artística, pela defesa de uma ética humanista e do Estado Democrático de Direito. No entanto, além de revelar quem são e como agem estes novos vendilhões e colonizadores do país, não podemos descuidar e nem esquecer da tarefa urgente de construir novas pontes de diálogos entre NósOutros.
Nesta fase do golpe, por vias tortas, está em curso a construção de uma ampla frente política, popular e democrática. Esta é a melhor forma que estamos encontrando para combater o crescimento desta cegueira política e cultural, para recuperar os direitos já perdidos e para defender a nossa soberania nacional. Qualquer mínima ação coletiva deve ser vista como uma ação revolucionária.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O TEATRO ESTÁ DE VOLTA - USINA DE TEATRO

Pelotas que historicamente sempre manteve um vínculo muito forte com o teatro, volta a ter a apresentação de uma peça produzida localmente. O Gran Circo Evelyn e o Teatro mais Famoso do Mundo com direção de Clóvis Veronez e Flávio Dorneles.
Nas palavras do grupo a peça "representa o atual esforço da Usina de Teatro em busca de uma linguagem para o teatro popular com a proposta de um teatro vivo e pulsante, tal como as outras artes, negará a indústria e o mercado, o consumidor e o lucro. Coabitando com essas dimensões da estrutura social, esse teatro irá buscar sua integridade além delas.
A desalienação do artista torna-se, nesse caso, elemento fundamental para a criação de um teatro significativo.
Somente a partir do momento em que o ator/artista se percebe como agente social efetivo, através da arte, o espectador pode viver uma experiência teatral plena.
Estará plantado no chão do mundo, sem dispensar as possibilidades reais que o imaginário lhe oferece como matéria-prima da criação.
Cabe ao artista de teatro, tornar-se gestor da sua arte, animar uma reflexão sobre a problemática da formação de público, sobretudo a importância de se pensar a criança e o jovem como público e o papel que deva cumprir na educação.
O teatro do século XXI, não pode deixar de incorporar em suas diferentes manifestações as mudanças na forma de se relacionar com o meio ambiente e o amor. Deve colocar em cena o empoderamento feminino, identidade, igualdade de gêneros, “poliamor” e respeito aos limites do humano próximo e do planeta.
O teatro do século XXI precisa “andar”, dispensando (se necessário) seus próprios edifícios, poltronas e cortinas".


ELENCO:  Teci Jr., Fernanda Tamborindeguy, Jeniffer Fernandes e Renan Moreira. Arranjos musicais de Tarcísio Silveira. Texto, cenários e iluminação de Clóvis Veronez e direção geral de Clóvis Veronez e Flávio Dorneles.
LOCAL - Casa do Trabalhador - Rua Sta Cruz 2454- Pelotas
TEMPORADA - até o dia 10 de dezembro, sempre aos domingos - 19 h , ingresso R$ 10, duração 50 min. , livre para todas as idades, com linguagem voltada à infância e juventude.


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Votação do Plano Plurianual (PPA) - Demandas do Laranjal

Neste dia 16 de novembro será votado o  Plano Plurianual (PPA), que define o orçamento do município para os próximos 4 anos.
Através do SOS Laranjal foram encaminhadas a alguns vereadores que acompanham as reivindicações dos moradores algumas demandas transformadas em emendas a serem apreciadas. São elas:
- pavimentação das ruas de percurso do ônibus no Valverde, Santo Antônio e Barro Duro - vereador Eder Blank (PDT) no custo de 3 milhões.
- 100 mil para a manutenção e reconstrução do dique no loteamento Pontal - vereador Marcus Cunha (PDT)
- manutenção de um posto da guarda municipal no Laranjal - vereadora Cristina Oliveira(PDT).
-Iluminação no trecho da Av. Fetter entre Colina Verde e entrada do Barro Duro - ( LDO) ver. Cristina Oliveira(PDT).
- construção de estrada com dique para o Pontal da Barra dos Pescadores ( proposta para o LDO , dia 23 ) do vereador Fabrício Tavares.
- Construção de nova UBS em terreno da prefeitura na rua Paulo de Souza Lobo - vereador Antonio Peres (PSB) ( LDO , votação dia 23)
Fora essas emendas, já há proposta da prefeitura no PPA para o Laranjal:
- reconstrução do Trapiche em regime de PPP ( proposta público privado) com SINDUSCON.
- pavimentação e iluminação da estrada do Totó que liga Barro Duro a Colônia Z3.
- projetos de drenagem e esgoto SANEP.
A reunião está prevista para às 8h 30min na Câmara de Vereadores e a presença dos moradores é de grande importância.  (Fonte SOS Laranjal)

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Zombar de atrasados mostra falha da educação, dizem especialistas (Folhapress)

.Já virou tradição, em domingos de Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), grupos de pessoas se aglomerarem em frente aos locais de prova para torcer pelo atraso de candidatos. A ideia deles é se divertir com a decepção de quem não consegue chegar antes do fechamento dos portões e perde a prova, que auxilia no ingresso do ensino superior.
A prática é vista por estudiosos na área de psicopedagogia e de violência no ambiente escolar como sintomática da baixa educação no país. "É uma representação do nosso sistema educacional", diz Sergio Kodato, psicólogo coordenador do Observatório de Violência e Práticas Exemplares ligado à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP de Ribeirão Preto.
+ Aluna que virou meme em 2015 lamenta piada com #showdosatrasados
Segundo Kodato, o comportamento é um reflexo do que já acontece de maneira corriqueira dentro das salas de aula, o bullying. Ele diz haver uma distinção entre rir espontaneamente de quem escorrega e cai, por exemplo, e de alguém que está em uma "situação de perda, de desgraça" como quem perde a chance de fazer o exame. "É bem constrangedor."
Para a professora de psicopedagogia da faculdade de educação da PUC-SP, Neide de Aquino Noffs, a situação é uma demonstração clara de falta de empatia. "O outro tem que sofrer mais do que ele [quem debocha], ele tem que saber que tem alguém perdendo algo, e não reflete sobre como aquela pessoa está se sentindo."
Ela diz que o índice de evasão da prova contempla também as pessoas que se atrasaram e desistiram de ir por saber que não daria tempo e, portanto, evitar a humilhação em público -no primeiro dia de provas deste ano, a taxa de ausência foi de 30,2% dos candidatos. "O sujeito que vai até a porta quer entrar. Ninguém planejou se candidatar por um ano e chegou atrasado porque quis."
Noffs diz que, nessa alta proporção de ausências, além de imprevistos estão alunos que não têm estrutura para lidar com a pressão e acabam "fugindo" da prova, por medo de falhar, pela insegurança de tentar e não conseguir. "Não querem que a família o ache um fracassado."
CONJUNTURA
Para o cientista político João Trajano Sento-Sé, pesquisador do Laboratório de Análise da Violência da Uerj, há dois pontos que ajudam a explicar esse prazer em humilhar. O primeiro é estrutural, a violência simbólica no ambiente escolar por meio do bullying, da opressão.
O segundo, conjuntural. Sento-Sé diz que o momento de crescente intolerância pelo qual passa o país, "em que elites empresariais escarnecem de políticos e políticos escarnecem do povo", embasa a prática de atacar quem falha. A desqualificação do outro é mútua, diz. "Há uma degradação do respeito recíproco."
SOLUÇÃO
Sento-Sé diz ser preciso enfatizar o que há de "lamentável e negativo" em manifestações dessa forma. "Elas [as troças com os atrasados] não expressam um espírito brincalhão, como um participante poderia justificar. Isso não é lúdico, é desrespeito."
Kodato afirma que o que deve ser estimulado para provocar uma mudança comportamental é a alteridade no ambiente escolar, "trabalhar a relação com o outro que é diferente de você". "O indivíduo burro é aquele que vê o diferente e o menospreza", diz. "O inteligente suporta, convive e vai aprender com o diferente."
Alunos vítimas de bullying, perseguidos com o estigma de "perdedores" ou "fracassados" têm que ser trabalhados no ambiente escolar, diz. "Temos que botar eles para produzirem, fornecer sentido para a existência dessas pessoas. Um dos instrumentos é a cultura", afirma. Com informações da Folhapress.

sábado, 11 de novembro de 2017

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

BRASIL 2X0 , A VOLTA DA TORCIDA


No jogo que deu a vitória tão esperada do time xavante, depois de vários jogos sem vencer e ameaçado de cair na zona do rebaixamento, um fato também chama muito a atenção: o retorno da torcida ao campo. Confirma-se o que todos sabiam e comentavam mas os dirigentes preferiam pensar doutra forma. O valor muito alto do ingresso ( 60 reais!) afugentava a torcida de todos os jogos do Brasil. Resta aguardar que nos jogos restantes em seu estádio o Xavante, mantido o ingresso a um preço promocional e acessível,  possa contar com a mesma presença de público.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

OS ENIGMAS DA PAVIMENTAÇÃO DA AV.ESPIRITO SANTO

Entre os muitos enigmas da pavimentação da avenida Espírito Santo, uma obra que ainda vai continuar perturbando a vida dos moradores por um bom tempo, não pela obra em si, mas pela falta de planejamento, é importante destacar a obstrução do canal. Como é por esse canal que deságua o maior volume da água proveniente da chuva, não é difícil de concluir, como o canal passou a ficar o tempo todo obstruído durante a obra de pavimentação, as consequências. Presume-se que se as obras tivessem começado pelo projeto de drenagem acompanhado pelo aparelhamento do bombeamento,  teriam sido evitadas os lamentáveis alagamentos que foram produzidos.
P.R.Baptista

sábado, 21 de outubro de 2017

REUNIÃO COM MORADORES DO LARANJAL DISCUTE SEGURANÇA

Rodada de conversa de moradores do Laranjal com o Secretário de Segurança Ten.Bruno e o Com.Sandro da BPM.
Reunião promovida pelo SOS Pelotas contando com a presença dos vereadores Toninho Peres (PSB), Cristina Oliveira (PDT), Eder Blank (PDT) e Marcus Cunha (PDT).
Entre os pontos discutidos.
- Resultados do Pacto Pela Paz e demais detalhes do projeto .
- Pedidos como a viatura na área administrativa do Laranjal , revitalização da sede da brigada e iluminação pública feitos, com possibilidade de bons desdobramentos.
-Novas ações e canais de comunicação 

Resta aguardar pelos resultados